• Nova Escola de Sagres

 

O projeto Nova Escola de Sagres tem por objetivo reunir, na Fortaleza de Sagres, diversas áreas do saber científico e do saber prático, passado e atual, como justificação conceptual para o uso do termo Escola de Sagres. Pretende-se, assim, manter o carácter mitológico e histórico de usar a Fortaleza de Sagres como local de reunião de conhecedores e detentores do saber científico e tecnológico para o desenvolvimento de métodos inovadores de navegação, elaboração e produção de cartas de navegação e de construção de navios para a descoberta de novas terras e rotas comerciais. 


NES2021

Na quinta edição (2021) da Nova Escola de Sagres, ambicionamos olhar para o Património, Comunidade e Inclusão numa perspetiva de valorização do conhecimento empírico. Diariamente a fortaleza é palco de atuação de várias pessoas que usufruem dela quase sem se aperceberem da sua importância: pescadores, operadores de marítimo-turísticas, guias de turismo e uma diversa comunidade de praticantes de desportos aquáticos (mergulho, surf, wind-surf). Nesta edição, pretende-se envolver todas estas comunidades e integrá-las numa perspetiva de co-construção e partilha de saberes. É na partilha das diversas perspetivas do conhecimento empírico, na forma como diferentes sentem a mesma realidade, que alcançamos e construímos pontes e formas de diálogo, mais ricas, mais diversas, com o objetivo de uma inclusão desejável.

 


 

Alcançámos assim a partilha do conhecimento empírico das comunidades que usufruem da fortaleza. Mais ainda, também a comunidade científica contribuiu, pois, o conhecimento científico pode identificar o ponto comum das relações que existem de todos em torno da fortaleza.



Vitor Franco   Sara Magalhães   Luís Duarte
         
Luís Duarte   Ana Carla Conceição   Miguel Galhardo
         
Joana Schenker        
         
Teresa Cruz   Paulo Fernandes   Ana Marçalo
         
Manuela David   Jorge Gonçalves   Alexandra Teodósio
         
Ester Serrão   Ricardo Serrão Santos   ForMar

 

Atividades:

 

Construir uma Caravela: atividade para ser levada a cabo ao longo do dia e repetida ao longo do evento. Pretende-se envolver os participantes na construção de uma réplica modular de uma caravela, à escala de 1:3 (10 metros de comprimento). Os participantes exploram as plantas de execução de uma caravela e contribuem ativamente para a construção da mesma. Nesta atividade, iremos convidar o participante a desempenhar diferentes papéis no que representa a construção de uma embarcação levando a pensar sobre o que é a vida a bordo de um navio e qual a importância da manutenção de uma frota de pesca e como se faz a manutenção da mesma.

 

Mapas: cartas e mapas serão explorados e experimentados pelos visitantes sendo estes esclarecidos sobre o funcionamento e significado de cada um, com referência às correntes e ventos que dominam no promontório da Fortaleza, identificar rotas de migrações das diversas espécies que circulam na costa portuguesa.

 

Instrumentos de navegação: os instrumentos de navegação desenvolvidos e aprimorados e incorporados nas embarcações ao longo dos séculos xv e xvi foram de extrema importância para impulsionar e consolidar os descobrimentos. instrumentos como o quadrante, o sextante, a balestilha, a bússola e o astrolábio, serão explorados e experimentados pelos visitantes sendo esclarecidos sobre o funcionamento e significado de cada um, e será feito o paralelismo com os instrumentos que, hoje em dia, são usados a bordo das embarcação que passam diariamente ao largo da Fortaleza.

 

Medir o tempo: O sol foi fundamental para as primeiras formas de medir a passagem do tempo. nesta oficina construiremos, ao longo do dia, um relógio de sol utilizando-o para explicar como a posição da Terra em relação ao Sol nos pode dar tanta informação. Será também abordada a forma como é usada pelas comunidades envolvidas neste projeto.

 

As coleções: Nesta atividade, expomos aos visitantes várias coleções que vão desde areias recolhidas à volta das praias da fortaleza, até às espécies que vivem no oceano que circunda o monumento, Enquadradas na narrativa do imaginário que algumas espécies representam. Estará também representada uma coleção de organismos microscópicos, que por recurso à tecnologia da digitalização e impressão 3d, podemos manipular e ter a perceção de como é um dinoflagelado ou um cocolitoforídeos, que podem ser responsáveis por marés vermelhas ou pelas águas fluorescentes.

 

Robótica e programação: Através destas ferramentas lúdicas, iremos desenvolver oficinas que permitem explorar formas de viajar ao largo do promontório de Sagres e de como as correntes e os ventos têm um papel fundamental na navegação nestas passagens.


Histórias contadas: o património oral também é parte essencial da nossa cultura e da nossa história. Histórias contadas e narradas são uma das formas mais eficientes de preservação do conhecimento e da nossa Experiência. Dirigido às famílias com crianças, convidamos os participantes a assistir a um conto sobre as comunidades que vivem diretamente da pesca e do mar. No fim iremos explorar objetos que nos remetem para as rotinas dessas comunidades.


Para mais informações e inscrições entre em contacto connosco - info@lagos.cienciaviva.pt | 282 770 000 | 969 685 985

 

_____________________________

Na quarta edição celebramos os Direitos Humanos, Igualdade e Não-Discriminação numa perspetiva de aprender com a história do passado, re-descobrir o conceito de igualdade, e encarar o futuro da Não Discriminação com o respeito permanente pelos Direitos Humanos, lado a lado com o conhecimento. O visitante terá a oportunidade de explorar um conjunto de atividades que apresentam como fio condutor, uma narrativa dos acontecimentos históricos referente ao tempo da escravatura desde a época dos descobrimentos, até aos dias de hoje, onde a cor da pele e questões culturais são ainda um fator de discriminação. Em cada atividade, serão abordadas noções que remetem para passagens e momentos da história em que a escravatura era uma realidade aceite socialmente.


Na terceira edição (2019) a implementação da Nova Escola de Sagres, ambiciona olhar para a viagem de Fernão Magalhães numa perspetiva de descobrir novos rumos, de enfrentar o desconhecido e descobrir novos caminhos para o conhecimento. A proposta inclui assim a exploração e dinamização de um conjunto de atividades práticas de cariz científico e tecnológico como fio condutor de uma narrativa da história da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães. Em cada atividade serão abordados conceitos que remetem para passagens e momentos da viagem, explorando o património histórico e relacionando-os com os conhecimentos da atualidade com recurso às novas tecnologias.


A segunda edição (2018) da Nova Escola de Sagres pretende olhar para o futuro e potenciar na fortaleza de sagres o uso das tecnologias mais recentes para preservar a história e o passado. O futuro faz-se com a nossa história, quer do passado, quer do presente. esta proposta inclui assim a exploração e dinamização de um conjunto de atividades práticas de cariz científico e tecnológico que sejam um fio condutor de uma narrativa da história do passado e do presente projetada num futuro cada vez mais próximo. Em cada atividade serão abordados conceitos que remetem para o património histórico, relacionando-os com os conhecimentos da atualidade com recurso às novas tecnologias para o preservar.


A implementação do projeto (2017) Nova Escola de Sagres ambiciona reunir na Fortaleza de Sagres diversas áreas do saber científico e do saber prático, passado e atual, como justificação conceptual na dinamização de atividades relacionadas com as artes de navegar, a História e o conhecimento que resultaram do primeiro grande evento de globalização – os Descobrimentos. Pretende-se que em cada atividade sejam abordados conceitos que remetam para um contexto histórico, mas relacionando-os com os conhecimentos da atualidade e com os novos saberes e tecnologias e produtos, recorrendo a ferramentas atuais e de elevada tecnologia. 


Em cada edição são desenvolvidas e dinamizadas diversas atividades práticas a serem exploradas pelos visitantes. Pretende-se que o participante tenha a oportunidade de experimentar, sentir e refletir o conjunto das atividades propostas pensadas e alinhadas com o tema de cada ano. Cada atividade abordará conceitos de um contexto histórico passado mas sempre relacionando-os com os conhecimentos presentes, recorrendo a ferramentas e à tecnologia atuais.

 

A existência da Escola de Sagres constitui um dos mitos da História de Portugal, associado a um local de reunião de conhecedores da arte de marear e detentores do saber científico e tecnológico.


 


Localização

R. Dr. Faria e Silva n.º34 _ 8600-734 Lagos

Horários

Ter-Dom

10:00 - 18:00
Segunda-feira Fechado

Encerrado nos dias 24, 25 e 31 de Dezembro, e 1 de Janeiro.

Social